• Plantão

    No âmbito do Bracier, Brasil fecha declarações conjuntas com Argentina, Bolívia e Peru


    Declarações deixam claras as intenções de produzir esforços conjuntos na consecução de grandes projetos bilaterais e nos aspectos técnicos, econômicos e regulatórios regionais

    O Brasil caminha a passos largos para o avanço da integração energética entre os parceiros na América do Sul. Durante a 56ª edição da Reunião de Altos Executivos da Comissão de Integração Energética Regional (CIER), que ocorre na cidade do Panamá, no Panamá, o comitê brasileiro – Bracier –, na figura de seu presidente João Francisco Ferreira, diretor-geral brasileiro da Itaipu Binacional, assinou três Declarações Conjuntas de Colaboração para alavancar a integração energética regional com representantes de alto nível da Bolívia, Argentina e Peru.

    As Declarações deixam claras as intenções de produzir esforços conjuntos na consecução de grandes projetos bilaterais e nos aspectos técnicos, econômicos e regulatórios regionais. Os grupos de alto nível formados nas Declarações Conjuntas funcionará, inclusive, como um fórum de orientação e consulta sobre aspectos relacionados à análise e ao andamento das atividades, direcionando novos estudos necessários.

    Outro aspecto importante é reafirmar o compromisso com o desenvolvimento e a integração energética regional, considerando este ponto como um poderoso instrumento para o desenvolvimento econômico e sustentável dos dois países e o bem-estar da sociedade.

    Pelo comitê boliviano, assinou a declaração seu presidente Marco Antonio Escobar Seleme, que também é presidente da Empresa Nacional de Electricidad - ENDE, a empresa estatal boliviana de energia. A declaração conjunta com a Argentina foi assinada por Marcelo Cassin, vice-presidente do comitê argentino e staff da Empresa Provincial de la Energía de Santa Fe. O Peru contou com a representação de Juan Muro Rosado, presidente do comitê peruano e gerente geral do grupo Distriluz, um dos mais importantes do País. Todas as declarações foram também assinadas pelo diretor executivo da CIER, Túlio Alves, que participará dos grupos na condição de facilitador.

    Com a Bolívia, há estudos para implementar uma usina hidrelétrica binacional, no Rio Mamoré, acima do município de Guajará-Mirim (RO), contando com a experiência de Itaipu, e possibilidades de interconexão dos estados do Mato Grosso do Sul (MS) e Mato Grosso (MT) com o país vizinho, inclusive analisar a viabilidade de intercâmbios entre Brasil e Bolívia através da Argentina. 

    Já com a Argentina, há estudo de se implementar duas usinas hidrelétricas no rio Uruguai: os projetos Garabi e Panambi, que proporcionarão ao Brasil e à Argentina mais energia elétrica gerada a partir de fonte renovável, além de consolidar a integração energética entre ambos os países.

    Tanto para o diretor-geral brasileiro de Itaipu, general João Francisco Ferreira, presidente do Bracier, quanto para o diretor técnico executivo da binacinal, Celso Torino, o sucesso das tratativas demonstra uma parceria sólida em prol do desenvolvimento e soberania elétrica dos países envolvidos. “Demos agora mais um grande salto rumo a novas parcerias que devem em breve se tornar algo concreto para que esses países possam garantir mais cooperação no âmbito energético, trazendo mais segurança elétrica para cada um deles, por meio da irmandade que rege nossas relações”, disse Ferreira.

    Esta é a primeira vez que integrantes tanto do Ministério de Minas e Energia quanto do Ministério das Relações Exteriores participam em conjunto de um evento da comissão. 




    O tema do encontro é “O futuro não deve ser evitado, deve ser planejado”. Fazem parte do grupo o diretor-geral brasileiro da Itaipu, general João Francisco Ferreira, que é presidente do Bracier – comitê brasileiro da CIER; o diretor técnico executivo, Celso Torino, que ocupa o cargo de vice-presidente de Geração do Bracier; e Juliano Portela, assistente da Diretoria Técnica e secretário executivo do Bracier. Também participa do encontro o secretário de Planejamento e Desenvolvimento Energético do Ministério de Minas e Energia, Paulo César Magalhães Domingues.

    A CIER é uma organização regional internacional, reconhecida por governos, de duração ilimitada e sem fins lucrativos que reúne empresas e organizações do setor energético dos países membros, bem como membros associados e entidades relacionadas. Seu objetivo é promover e favorecer a integração do setor energético da região por meio da cooperação mútua entre seus associados. 

    O Bracier é um dos comitês que integra a CIER. É uma entidade não governamental, sem fins lucrativos, que congrega as principais empresas e entidades do setor elétrico brasileiro interessadas na integração energética regional.

    Fonte: Assessoria
     

    Dr Flavio
    CEO - República De Curitiba Oficial
    Blogueiro, Empreendedor, Produtor Cultural, Social Media e Amante do Direito...
    '' Invista nessa marca, visite nossa loja oficial''

    Nenhum comentário

    Obrigado pelo seu comentário, Lembrando que você é responsável juridicamente por tudo aquilo que escreve e, se solicitado, enviaremos as informações às autoridades competentes caso o conteúdo do comentário afronte a Lei.

    Post Top Ad

    ad728
    ad728

    Post Bottom Ad

    Monitoramento Redes Sociais, Clipping.